12.26.2007

Vara - o escândalo dentro do escândalo




Ali Babá


Tem sido entre o gozo e a indiferença que a opinião pública vai ouvindo falar do escândalo do BCP. Para que as reacções não sejam mais adequadas à realidade, muito tem contribuído a actuação de Jo Berardo, que se veste e fala como se de um português comum se tratasse, um de nós, sem tirar nem pôr, uma espécie de Zé Povinho com sorte. O capitalista bonzinho a atirar para o popularuncho. Aquele que faz os broncos pensar que, se tivessem trabalhado muito, também teriam lá chegado.

Contudo, o que se passa no maior banco privado português, é a prova exemplar daquilo que aqui temos dito muitas vezes a propósito do poder económico (e de como ele se sobrepõe ao poder político) e de como a justiça e as várias instituições, encarregadas de zelar pela salvaguarda das leis e do seu cumprimento, usam os chamados dois pesos e duas medidas.

De casaca e colarinho branco

Parece ser um facto indesmentível que foram praticados no BCP, pelo menos desde 1999, actos que apontam para graves crimes de natureza económica.

- A primeira pergunta que me ocorre, é como foi possível, durante oito longos anos, ninguém ter dado por nada, especialmente o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)?

- A segunda, é porque razão, levantada a lebre, a Polícia Judiciária não avançou para buscas nas residências dos senhores administradores e restantes elementos dos corpos sociais do BCP, desde 1999, levando atrás as televisões e demais comunicação social, para que víssemos, em directo, o arrombamento das portas e a detenção dos suspeitos?

- A terceira questão decorre das anteriores. Será que esses procedimentos não são adequados aos crimes de colarinho branco, mas apenas aos rufiões da Ribeira do Porto ou aos mafiosos de terceira do Apito Dourado?

Pelo que se viu, para suspeitos deste quilate, basta o senhor governador do Banco de Portugal, o socialista Vítor Constâncio, convocar os principais accionistas do BCP para o seu luxuoso gabinete e declarar-lhes que acha conveniente que os administradores e responsáveis pelos órgãos de fiscalização do banco, desde 1999, fiquem inibidos de exercer cargos em instituições financeiras (inclusive o ilustre banqueiro da Opus Dei, fugido para a Espanha após o 25 de Abril, e ali repescado por Mário Soares).


A oportuna miopia

Mas o Banco de Portugal fica muito mal neste retrato, depois de tantos anos de passiva conivência. A sua intervenção chega tarde e é praticamente virtual. Fica claro que só actuou quando já não podia mais fechar os olhos, dada a dimensão dos escândalos. Recordo que, há vários meses, a administração norte-americana abrira um processo contra a agência do BCP em Nova York, facto que o BP preferiu não ver.

O que sabemos, é que as trafulhices reveladas, tanto no offshore como no onshore lusitano, constituem apenas uma ponta do iceberg. E que elas, certamente, não são uma exclusividade do BCP…

Certo, sob o ponto de vista do interesse nacional, estava o governo que, em 1975, decidiu nacionalizar toda a banca portuguesa. A devolução, pela mão do PS, do sistema financeiro aos banqueiros, conduziu ao que agora se assiste. E o que vemos – os que querem ver – é que a banca privada não serve o país; serve-se dele para exauri-lo.


Endividamento das famílias
- disfarça a crise e enriquece os bancos

(Faço aqui um parênteses, para defender este ponto de vista com notícias recentes. Dizem elas que «por cada hora do mês de Outubro, o endividamento das famílias portuguesas, perante a Banca, aumentou mais de 1,5 milhões de euros. Ao fim de cada dia a soma atingia 38 milhões de euros. No final do mês as dívidas dos particulares ao banco aumentaram mais 1,18 mil milhões de euros, o que significa que o crédito bancário junto dos cidadãos já ultrapassa os 125 mil milhões de euros. Estes números são assustadores e revelam que há uma ‘bomba-relógio’ que pode explodir no dia em que parte significativa das famílias já não conseguir honrar os compromissos bancários. Os números do crédito malparado também acompanham a subida do crédito e já vai em 2,238 mil milhões de euros».

Assim, enquanto as políticas económicas levam os portugueses a endividarem-se para fazer face às suas necessidades mais elementares, iludindo, deste modo, a recessão instalada, os bancos aproveitam e enchem os cofres. Entre o fracasso da sua governação, os interesses dos bancos e a saúde financeira das famílias, já se viu que Sócrates e Teixeira dos Santos consideram que esta fuga para frente é a única solução. Fim de parênteses).

Vítor Constâncio e Teixeira dos Santos
- incompetência, ou conivência?

Voltemos ao pântano do BCP, onde, para além dos intocáveis banqueiros, há dois figurões que agem e falam como se nada fosse com eles. Um, como já se viu, é Vítor Constâncio, que está no BP desde 2002. O outro, é o actual ministro das Finanças, que presidiu à CMVM entre 2000 e 2005.

Assim sendo, parece que só restaria aos dois senhores alegarem razões de ordem pessoal e, rapidamente, desaparecerem de cena. É que, das duas, uma: ou foram altamente incompetentes nas suas funções; ou foram altamente coniventes com esta trapalhada toda.

O maná do PS


Um oportuno (como sempre) cartoon de Luís Afonso


Para além disto, um outro escândalo se perfila no horizonte. Desde sempre cúmplice dos grandes interesses financeiros deste país – o que não é o mesmo que defender-se o sistema financeiro essencial ao desenvolvimento económico e social do país, confusão que alguns, como Sócrates, gostam de fazer – o PS tem retirado gordos dividendos dessa opção. Como é sabido, tem vários boys e girls espalhados por tudo o que é empresa, fundação, organismo, instituto ou instituição de carácter público. A política é, para o PS, um autêntico maná.


Como alguns dos accionistas do BCP são empresas onde o Estado tem posição dominante, caso da CGD, presidida pelo socialista Santos Ferreira, e porque todos preferem que as ondas sejam poucas e baixas – ou nenhumas – nada melhor que resolver-se o imbróglio de modo a satisfazer o poder político (entenda-se: a clientela socialista), que, por sua vez, tudo fará para que ninguém se afogue ou saia muito sujo do lamaçal.


Deste modo, Santos Ferreira saltaria da CGD para o BCP, e todos ficariam contentes. Acontece, porém, que o PS perdeu o pouco que lhe restava de bom-senso. A sua fúria de abocanhar depressa o que há para abocanhar, nem lhe permite parar para pensar. Assim, para além de Santos Ferreira, quer também outro boy no poleiro do BCP. Nada mais, nada menos do que Armando Vara.
Olha quem!



Armando Vara!?
O mesmo Vara da FPS!?



Armando Vara, se este país não fosse o escarro que é, mas algo minimamente evoluído e regido por valores básicos de ética e decência, seria hoje (se não estivesse de quarentena no sítio indicado, pelas suas proezas como governante, especialmente aquela da famigerada Fundação para Prevenção e Segurança – FPS – que o povo logo baptizou de Fundos para o PS, e que levou Jorge Sampaio a impor a sua demissão) dizia eu que Vara seria hoje o que era quando se meteu na vida partidária: um simples funcionário da CGD, já que ali nunca passou de um mero caixa num escondido balcão de Trás-os-Montes.

Mas não. Porque a política em Portugal é assim mesmo – e quando interpretada pelo PS ainda é pior – o pardacento e anónimo ex-caixa da CGD, encontrou no PS a lanterna mágica de Aladino. De facto, depois de ministro, demitido por indecente e má figura, foi promovido de caixa a director da CGD e, num abrir e fechar de olhos, de director a administrador.




Não nos iludamos. Ali Bábá não é uma lenda.

Nem os quarenta (só?) ladrões.

5 comentários:

Eduardo P. disse...

Belo trabalho, meu caro amigo.
Está aí tudo, preto no branco (e a várias cores).

Infelizmente, é assim que está o país. Sem dinheiro (só para alguns), sem valores, sem decência e sem vergonha.

Eles, os políticos, fazem o que querem, e o PS ainda vai mais longe na pouca vergonha e no «comer tudo».

Só tenho uma pergunta: Até quando?

São disse...

O ano acaba pior do que se esperava, e as expectativas já eram muito baixas.
Eu já não sei que infâmia mais há-de acontecer neste desgraçado país!!...
Sinto-me atolada num pântano, a sério.
Não aprecio grandemente Berardo, mas desta vez concordo com ele.
Nunca pensei aplaudir o PSD, mas desta vez aplaudo a chamada ao Parlamento de Constâncio e do actual Ministro das Finanças!!
Quanto às ilegalidades do BcP, estão abençoadas pela Igreja Católica e por Escrivá ( a quem João Paulo II santificou a velocidade superior à da luz)...
QUE NOJO! QUE NOJO!!!
Abraço muito grande para ti, meu querido amigo!!

Maria dos Anjos disse...

Olá, amigo!

Na realidade, não sei o que dizer. Bravo? É verdade? Que tristeza? Nada disto me parece suficiente. Faltam os adjectivos, faltam as palavras, faltam as expressões para classificar a política em curso, os políticos em posse - e pose - e a arrogância deles e dos seus mandantes, os grandes capitalistas sem vergonha (também não precisam dela, não é?)

A verdade é que com este governo de Sócrates e do PS, batemos no fundo.

Um abraço.

Maria dos Anjos

Mar Arável disse...

O primeiro golpe foi a privatização de tudo

O segundo golpe a governamentalização de tudo

O terceiro golpe
será a fusão - que já é defacto -
mas admito passe a direito
para que se acabe de uma vez com
o discurso da bipolarização.

Nesse dia - obviamente -

tudo ficará mais claro (?)

a formiga disse...

ontem tive um sonho, vago mas era real, sonho real!!!

Em que havia numa determinada agência funerária, de grandes dimensões é claro (os meus sonhos são sempre em grande), em que os empregados eram pressionados a atingirem os objectivos, e para isso o administrador responsável, chamado chicote, pressionava para enterrarem mais mortos do que não existiam, e assim fizeram, obedientes como eles eram tudo fizeram para agradar ao Sr. Chicote, no entanto a determinada altura isto foi descoberto, até saiu (em letras pequeninas) nos jornais, mas nunca falaram no Sr. Chicote, parecia que nem existia, logo não era responsável por nada, os empregados levaram com processos para serem despedidos, o Sr. Chicote nada, até que a Agência que estava na concorrência abriu vagas para administrador da mesma, eis o caminho, o Sr. Chicote vai para administrador dessa agência... de repente acordei... que sonho tão estranho...