6.26.2007

Santiago do Chile e Lisboa




Da farda bruta, ao distinto Armani

O governo socialista está prestes a atingir os seus objectivos: colocar a corda na garganta a cerca de nove milhões de portugueses, enquanto os restantes, essencialmente os detentores do poder económico e os barões da classe política – e seus afilhados – terão o país inteiramente para si.

Para nós, povo comum, a sangria está ao rubro. Emprego precário – e é se houver – ordenados incapazes de fazer face ao custo de vida, dificuldades cada vez maiores no acesso ao ensino (só acessível às elites), reformas cada vez piores e mais tardias, o acesso a cuidados médicos e de saúde progressivamente dificultado, agravamento de impostos, criação de novos mecanismo de extorsão, a nível central e local, como sejam a criação de novas taxas e o agravamento de outras.
Tudo serve para taxar. Por enquanto, salva-se o ar. Até ver...

Agora, uma chamada Comissão para a Sustentabilidade do Financiamento do Serviço Nacional de Saúde, por encomenda do Governo, vem propor que as despesas com a Saúde deixem de ser dedutíveis no IRS. Se assim for, milhões de portugueses vão trabalhar para, exclusivamente, pagarem impostos e reduzirem o seu dia-a-dia ao nível da pura sobrevivência.

Cinicamente, incute-se na população ideia de que o Serviço Nacional de Saúde está a caminho da rotura, porque as receitas não cobrem as despesas. Esquecem-se os facínoras que tal apregoam, que o SNS não é uma clínica privada, cuja finalidade é ganhar dinheiro à custa dos que podem pagar uma assistência de melhor qualidade. O SNS é pago por todos os portugueses, através dos seus impostos, e que o Orçamento Geral do Estado, cujas receitas saem dos bolsos de todos nós, deveria dotá-lo com as verbas necessárias a satisfazer, gratuitamente, as necessidades de toda a população, o que só não acontece porque o governo prefere gastar dinheiro noutras coisas.

A hipocrisia do Governo e da referida Comissão vai ao ponto de comparar Portugal com outros países, onde, para além dos ordenados serem incomparavelmente maiores, os respectivos SNS têm uma capacidade que não tem o SNS português – e cada vez tem menos. Por isso mesmo, o facto de as despesas de saúde serem dedutíveis no IRS, resulta do facto de sermos obrigados a recorrermos a serviços exteriores ao SNS, aliviando-o de milhares de consultas e outros actos médicos.

Por outro lado, ao pagarmos taxas moderadoras – ou, como eles querem que se diga agora, taxas de utilização – é bom que fique claro que estamos a pagar aquilo que já pagámos com os nossos impostos, e que só não chega porque o Governo, como já afirmei antes, não dota o OGE com as verbas adequadas à realidade nacional. Aos gastar onde não deve, falta-lhe onde não podia faltar.

Fica claro, assim, que matriz genética deste governo é, essencialmente exterminadora. Extermina tudo o que seja benéfico para a generalidade dos portugueses. Reduz as reformas e aumenta o tempo de trabalho. Extermina o direito à saúde, tornando-a cara, e eliminando Urgências, Serviços de Atendimento Permanente e maternidades. Extermina escolas e consulados. Extermina, em suma, o direito dos portugueses a uma vida sadia, feliz e digna.

No outro pólo, no entanto, no pólo das senhores ricos e dos seus ricos governantes e da sua imensa corte de assessores, adjuntos, gestores, administradores, presidentes, comentadores, analistas, propagandistas, e colaboradores, directores regionais de tudo e mais alguma coisa, a vida é diferente. A administração pública (central e local) está repleta de grandes e pequenos parasitas, abrigados sob as capas dos vários partidos, bandos de ociosos sugadores do erário público, construindo meticulosamente a reformazinha que lhes garantirá um amanhã sem os pavores que hoje atormentam milhões de portugueses.

Aí não faltam ordenados repolhudos, ajudas de custo generosas, reformas várias e em qualquer idade (bastando uns curtos meses para a elas se ter direito), seguros de vida, de saúde e de acidentes pessoais, o saltitar constante de um cadeirão para outro, prémios de resultados, mesmo que os resultados sejam negativos, automóvel às ordens, cartões de crédito com belos plafonds, enfim, a ordem é pilhar depressa e bem. É aí, também, que prolifera a corrupção com a sua cascata de bons negócios e as devidas gratificações.

E quando alguém fala em classes sociais, mesmo que aponte os casos que eu acabei de apontar, logo os tenores da governança (e os seus títeres dos andares inferiores da pirâmide), soltam um pungente dó de peito, gritando, «Aqui d’el Rei!, classes sociais não existem, o que se passa é que tais benesses são indispensáveis à dignificação das funções». E eu, ingénuo, a pensar que a dignidade da função tinha apenas a ver com a maneira como era exercida, e não com a maneira como era remunerada.

Mas Sócrates, o Exterminador Implacável, não pode ter tudo. Muito menos gente feliz nas ruínas. Pode tentar calar as vozes dissonantes, mandar perseguir opositores, ameaçar autores de blogs, iludir e tentar segurar aqueles que acreditaram um dia nele. Podem os seus lacaios obrigar uma professora a trabalhar até à morte, ou levantar processos a quem ouse desabafar contra a camarilha governante.

Mas a fome está aí, insidiosa, alastrando como mancha de óleo. A mentira não enche barrigas, não paga a prestação da casa, nem os livros dos filhos, nem a conta na farmácia. Nem a batata ou o papo-seco. E a retórica, de tantas vezes utilizada, enjoa. Enoja.

A regressão social e económica que vivemos assemelha-se, em muito, à regressão que os chilenos sofreram após o golpe de Pinochet. A diferença, é que no Chile foi à bruta. Aqui – porque eles também aprendem com os seus erros – está a ser silenciosa, delicodoce, cor-de-rosa. Não veste farda nem bombardeia o povo. Veste Armani, mas produz decretos tão assassinos como as bombas de Pinochet.

Portugal vive, hoje em dia, sob a mais violenta e sofisticada das ditaduras. A ditadura justificada por um voto que, descuidado – ou desencantado – lhe escancarou as portas.

Santiago do Chile, Setembro de 1973; Lisboa, Junho de 2007. O mesmo drama. As mesmas vítimas.

Chegou a hora de fazermos qualquer coisa. Não sei exactamente o quê, mas que é preciso fazer qualquer coisa, disso não tenho a menor dúvida.

4 comentários:

Anónimo disse...

LI e gostei. Violento? Excessivo? Não me parece. Infelizmente, é isto que temos. Com balas, ou com conversa, eles levam a água ao moinho dos de sempre.

Um dia, muito breve, aqueles que ainda acreditam no PS e em Sócrates, perceberão que foram, mais uma vez enganados. Quando ele sair, ou for empurrado, os ricos estarão mais ricos, e os pobres estarão mais pobres.

E voltaremos a baralhar e a dar de novo. E eles a rirem-se.

C. Vilaça

Mar Arável disse...

PELO MENOS QUE CADA UM SE INDIGNE

nunocavaco disse...

Podemos fazer mais, a começar pelo voto e a participar nas lutas de quem sofre.

TODOS SOMOS RESPONSÁVEIS, ainda que a responsabilidade de cada um seja diferente.

O teu post já é uma grande coisa.

Abraço

Zeca da Borga disse...

Soube agora que a directora de um Centro de Saúde foi exonerada porque não mandou retirar um cartaz que gozava com o sinistro da Saúde.

Soube, também que o «engenheiro» de aviário fez queixa, em tribunal, contra o autor do blog DoPortugalProfundo (que todos deviam visitar), por ter feito estoirar a bronca da licenciatura do tipo que é primeiro-ministro - e que andava a dizer que era engenheiro.

Depois disto, só falta reabrirem os Tribunais Plenários, Caxias e Peniche. E darem ao SIS mais uma «que fazeres».

Como bufos já há...

Malta. Cospe em cada socialista que conheceres. Ou vira-lhe as costas. Procreve-os. Bane-os do teu convício. Ou são bufos, ou são cúmplices da fome e dos ataques à liberdade e aos nossos direitos.

Fogo sobre a canalha socialista!

Zeca da Borga